Empresas de alimentação investem no serviço de delivery saudável

Sócios entregam cestas de frutas frescas ao preço médio de R$ 35.

Empresárias investiram R$ 350 mil para montar delivery de pratos lights.

Pequenas empresas estão apostando no segmento de alimentação saudável e oferecem a entrega de frutas e pratos light no horário de refeição dos funcionários. O negócio alia praticidade com saúde e atrai uma boa freguesia.

O empresário Carlos Alexandre Ribeiro montou um delivery de frutas frescas. Elas são entregues em empresas que querem oferecer um diferencial para os funcionários. Uma idéia comum na Europa, e que começa a ser adotada no Brasil.

Nós servimos frutas já prontas para o consumo, todas pré- higienizadas, justamente para o colaborador apenas pegar a fruta na cestinha. Uma coisa bem mais prática, mesmo”, diz Ribeiro.

Pequenas empresas apostam no segmento da alimentação saudável from Pedidor Delivery on Vimeo.

O negócio é lucrativo, mas trabalhoso. Todos os dias, o sócio Leonardo Stecanella compra as frutas em um centro atacadista de alimentos. “Alguns fornecedores que já são parceiros nossos, já sabem como funciona nossa empresa, já deixam mais ou menos separada a fruta do nosso jeito”, conta.

Na empresa, as frutas passam por uma seleção rigorosa. Ele mostra um lote em que, de quatro maçãs, somente duas foram aprovadas – embora, à primeira vista, pareçam todas iguais.

Nessa maça nós podemos perceber que tem uma marquinha de dedo. Ela também não é tão vermelha quanto essa. Ela é mais barata, mas o cliente também não quer. Além do que, ela é um pouquinho mais fofa. Essa é muito mais crocante do que essa”, explica o empresário.

Para se ter uma idéia, a empresa dispensa 50 % desse tipo de maçã, só por causa de pequenos defeitos. É um custo alto, mas os clientes são exigentes e fazem questão de frutas perfeitas.

Depois de selecionadas, as frutas são lavadas e esterilizadas. Algumas são embaladas em saquinhos; outras, cortadas, em potinhos.

Dá muito trabalho. Não é um mercado para aventureiros. Você tem que se dedicar ao trabalho. A taxa de retorno também demora muito para vir, mas é compensador”, diz Ribeiro.

O preço médio de uma cesta é de R$ 35. Para montar o delivery, o empresário investiu R$ 230 mil. Reformou o espaço e comprou quatro veículos. A empresa entrega 100 cestas por dia, um total de cinco mil frutas. O faturamento é de R$ 80 mil por mês.

A nossa meta é de faturar pelo menos mais do que o dobro do que a gente está faturando hoje”, revela o empresário.

Para a gente é prático, as frutas já vêm higienizadas. Elas já vêm cortadas para o consumo imediato”, diz Vanessa Perez, de uma empresa cliente do delivery há um ano e que recebe, todas as manhãs, cinco cestas de frutas frescas para seus funcionários.

Pratos lights
As empresárias Carolina Carogall e Cacau Mello montaram um delivery de pratos lights. Quem cuida da cozinha é a chef Carol, pós-graduada em gastronomia na Itália. Na empresa, nada de fritura ou açúcar. Tudo é integral e feito com pouco sal.

Há opções como risoto de quinua, frango com mussarela de búfala, arroz integral com strogonofe de shitake. É uma aposta na alimentação saudável para pessoas que não têm tempo.

Ela recebe nossa marmitinha lá no seu trabalho com uma entrada e um prato principal e uma sobremesa”, explica Carolina.

As empresárias investiram R$ 350 mil. Reformaram uma cozinha e compraram equipamentos. Elas começaram oferecendo os pratos para colegas de trabalho. O negócio deslanchou rápido.

A tendência é comer bem e a gente está fazendo isso de maneira diferente. É uma comida saudável feita por uma chefe e embalado com muito charme”, diz Cacau.

Para economizar mais, as empresárias contam com outro ingrediente: a habilidade na cozinha.

A empresa compra em quantidade para pagar mais barato pela matéria-prima, ao mesmo tempo não pode sobrar nada para não aumentar os custos. E aí, nessa engenharia, o segredo da economia é a criatividade das receitas da chefe aqui”, revela Carolina.

O segredo é evitar o desperdício. “Quando eu vou fazer uma salada que eu vou utilizar uma abobrinha, eu preciso de um corte bonito para a minha salada. E vai me sobrar as pontinhas. O que eu faço? Eu faço uma sopa. E isso eu utilizando tanto quanto abobrinha, berinjela, cenoura, para fazer esse reaproveitamento dos meus ingredientes.

Desta maneira, a empresa de Carolina e Cacau reduz o desperdício a menos de 5% dos ingredientes comprados.

O público da empresa adora criatividade. São pessoas da classe A, apreciadoras de inovação e glamour. A embalagem dos pratos é colorida, prática, pode ir ao micro-ondas ou forno, e é entregue em sacolas descoladas.

A cliente Janaína recebe uma todo dia. Ela tem pouco tempo e poucas opções saudáveis para comer onde trabalha. Há um ano, apostou no delivery saudável, e nem pensa em mudar.

A empresa entrega no meu trabalho e aí eu não fico pulando a etapa do almoço e tal, eu me alimento bem”, diz Janaína Venhasque.

Em apenas um ano de funcionamento, a empresa de Carolina e Cacau já entrega mais de 2 mil kits lights e fatura R$ 100 mil por mês. Sinal de que o mercado aprovou a comida e comprou a idéia.

O que a gente quer é ter um crescimento até chegar 30% ao ano, só que mantendo sempre o padrão que a gente optou para a empresa que é uma comida feita artesanalmente, não tirar ainda essa característica da empresa”, comenta Carolina.

Fonte: http://g1.globo.com/economia/pme

Como montar um restaurante de comida japonesa

Sushi em casaSem dúvidas, os restaurantes de comida japonesa conquistaram o gosto dos   brasileiros e ter um restaurante de comida oriental pode representar uma oportunidade de ganhos.

Mas é claro que para todo restaurante é crucial antes realizar pesquisa de mercado e outros mecanismos de estudos prévios,principalmente quando se trata de comidade oriental que constitui trabalhar com clientes mais arrojados.

Mercado de um restaurante de comida japonesa

O mercado para restaurantes de comida japonesa constitui locais que as pessoas vão para se divertir e realizar um lazer diferente com sua família. Portanto, antes de tudo, é necessário avaliar se o local ou o restaurante estão preparados para oferecer a comida japonesa.

Avaliar se a localização em que se deseja montar um restaurante de comida japonesaencontrará mercado que realmente frequentará o restaurante antes de iniciar as operações é de fundamental importância. Para isso é necessário realizar uma pesquisa de mercado que considere clientes, concorrência e localização.

Clientes de um restaurante de comida japonesa

Pesquisar clientes não é nada fácil exige dos pesquisadores paciência, simpatia e outras características.

A primeira proposta em pesquisar os clientes locais exige que se consiga desses clientes informações como a necessidade e a vontade de frequentar um restaurante de comida japonesa.

Essa etapa constitui o que chamamos de teste do conceito que realiza perguntas como:

  • Você frequentaria o restaurante: sempre, às vezes, raramente ou nunca?

Não exagere no número de questões, pois as pessoas estão com pressa e não responderão.

É necessário lembrar que alguns entrevistados irão mentir só para agradar os entrevistadores, portanto, faça com que as fichas de respostas sejam respondidas e logo colocadas em uma urna, ou seja, voto secreto.

Nesse período de pesquisa, organize um stand com nome e logomarca do restaurante de comida japonesa e ainda alguns sushis prontos para provas, sem cobrar nada, é claro. Observe se as pessoas realmente estão se deliciando  com os sushis.

Não terceirize essa pesquisa: é o empresário que deve sentir se o seu produto está sendo aceito e a percepção dos consumidores.

Pelas pesquisas realizadas, avalie qual seu público-alvo e ainda pesquise em órgãos competentes quais as características dos clientes em um raio de 1 km (como renda per capita, classe social e outros).

O próximo passo é analisar os hábitos dos clientes, a frequência no restaurante de comida japonesa em quais dias da semana, interesse por lançamentos, etc. Essas informações serão tiradas das pesquisas já realizadas e serão agora analisadas.

O perfil sobre renda per capita e classe social constituem pesquisas de dados secundários e podem ser extraídas de orgãos como o IBGE, IPEA e SEADE.

Localização de um restaurante de comida japonesa

Se aqueles que são considerados o público-alvo não aceitam bem a ideia arrojada de ter na vizinhança um restaurante de comida japonesa, então mude de localização, pois o restaurante só obterá sucesso com a aceitação do público-alvo. Instalar um resturante constitui custos altos, portanto, não se pode errar na localização.

Digamos que o desejo do empresário e sócios seja modificar a cultura através do marketing. Essa jogada é arriscada: o marketing serve para encantar e tornar a bandeira conhecida e não para modificar hábitos.

Concorrência de um resturante de comida japonesa

Supondo que a localização encontrada para montar o restaurante de comida japonesa tem previsão de que seja frequentada, mesmo que em longo prazo, e que há possiblidades de clientela. Então o próximo passo é conhecer os concorrentes, o que eles oferecem? Comida japonesa? Outros cardápios?

Se não for comida japonesa então ótimo, pois o restaurante estará oferecendo algo que só ele tem e as chances de ser frequentado por aqueles que optaram por um cardápio oriental crescerá.

O restaurante tem concorrentes que oferecem também comida oriental? Então pesquise do concorrente qual o cardápio, quais os pontos fortes e fracos, qual a apesentação do estabelecimento e qual as formas de pagamento desse concorrente.

E prepare-se para um Marketing de Ataque.

Estrutura de um restaurante de comida japonesa

Um restaurante de comida japonesa deve ter uma estrutura com cozinha bem aparelhada, um espaço para recepção dos clientes na entrada e depois vem o espaço com mesas e cadeiras.

Alguns restaurantes ofercem os pratos que são preparados nas mesas dos clientes, outros que oferecem salas privativas com tatumes e mesas próximas ao chão, como é costume no Japão. Este tipo de estrutura com salas reservadas para famílias ou casais tornam a estruturação mais cara, mas se os empresários puderam investir em salas privativas, isso representará um diferencial e as salas serão 5 ou 10% mais caras, cobradas pela taxa de reserva.

Tanto as salas privativas quanto o restaurante como um todo devem estar bem decorados ao estilo japonês com quadros, pequenos mimos como bonecos tipicamente japoneses em estantes, etc.

Nas mesas, tenham objetos como luminárias japonesas: torne a experiência de frequentar seurestaurante de comida japonesa memorável.

Por que investir na decoração e estrutura? Porque os clientes farão propaganda boca a boca para amigos e familiares, falando que o restaurante é agradável, tem qualidade, higiene, etc.

Cardápio de um restaurante de comida japonesa

A comida japonesa é constituída de pratos como peixes, frutos do mar, sushis, bolinhos e outros. Esteja sempre atento ás novidades da culinária japonesa e treine o pessoal para que cada vez mais possuam habilidades no preparo de comidas japonesas.

Avalie o cardápio oferecido no restaurante de comida japonesa, pois alguns pratos quase não saem e não têm muita aceitação. Portanto, pesquise quais os pratos que saem mais, que fazem mais sucesso, que têm mais pedidos e capriche nesses pratos.

Avaliar o cardápio é útil para decidir o que comprar mais realizando uma boa gestão de estoques no restaurante de comida japonesa.

Fornecedores do restaurante de comida japonesa

Os fornecedores irão fornecer desde mesas até guardanapos. Pesquise fornecedores que têm os melhores prazos, preços e condições de pagamento.

Mas o fator crítico de sucesso para o restaurante de comida japonesa são os forncedores de peixes, frutos do mar e outros ingredientes, pois os alimentos devem estar fresquinhos, higiênicos e chegar no momento em que os cozinheiros necessitam.

Gestão de fornecedores em um restaurante de comida japonesa

Esse assunto merece atenção,pois fornecimento de materiais de qualidade dão como resultado pratos de qualidade e em consequência a casa cheia de clientes.

Portanto,não erre tenha um sistema com três bons fornecedores para um mesmo ingrediente,pois se um falhar outro pode vir no lugar no momento necessário.

Escolha os fornecedores pela qualidade de seus produtos ,condições de pagamento,condições logísticas e outros.

Tenha um relacionamento integrado com seus clientes através do uso de sistemas como o ERP,esses sistemas avisam para os fornecedores o momento em que o estoque do restaurante necessita reposição e assim o fornecedor sem entrar em contato com orestaurante já providencia,sabendo o que fazer.

Alguns sistemas de integração são tão bons que vêm com a lista negra de forncedores em que não se pode confiar.

Automação de um restaurante de comida japonesa

Automatize seu restaurante de comida japonesa com software de contabilidade, finanças, estoques, controle de caixa efiscal  por um preço em conta (alguns sistemas já vêm com todos essses requisitos integrados).

Conte com um sistema de reservas de mesas informatizado e, além da ajuda  da informática, os sistemas de reserva devem ter profissionais competentes e que atendem bem os clientes para que não percam as ligações telefônicas e que agendem tudo direito, conforme a política do restaurante.

Pessoal de um restaurante de comida japonesa

Tenha um pessoal experiente na culinária japonesa, que realize um bom atendimento e ainda esteja sempre pronto a aprender; que aceite disciplina  e treinamento quanto a novos processos.

Treine sempre seu pessoal com bons hábitos de atendimento, saúde, segurança e higiene para o seu restaurante de comida japonesa.

Investimentos de um restaurante de comida japonesa

Os empresários investirão em imóvel de compra ou locação, adequação da estrutura, decoração e outros. Além disso, para o restaurante de comida japonesa são necessários equipamentos para cozinha que acompanhem a tecnologia para utensílios de preparo de alimentos.

Os gastos gerais serão na montagem de uma cozinha industrial, eem esquecer os gastos com divulgação e marketing. Despesas com material de escritórios, limpeza para cozinha e banheiros, entre outros, também estão inclusos. Além disso, perdas e desperdícios também devem ser considerados, assim como cancelamentos.

A gestão de custos deve considerar investimentos, custos fixos e variáveis e ainda gastos com desperdícios. Portanto, treine seu pessoal a não desperdiçar com excesso de ingredientes na elaboração e testes dos pratos que acabam indo para o lixo. Cuidado na utilização de água e energia, uso de gás e outros.

Para montar um restaurante de comida japonesa é necessário avaliar todos o processos, desde aquisição do local ideal até a gestão do restaurante, considerando custos e lucros, e ainda com  a preocupação de fidelizar o cliente, encantando-o sempre.

Fonte: NovoNegócio

Agência tem idéia inovadora para empresa de delivery

Delivery Inovador

Tem dias que bate aquela preguiça na hora de preparar a comida ou você não tem mesmo nada em casa para comer e não quer sair para ir ao mercado ou restaurante. A opção muita das vezes é comprar pizza ou comida por telefone e esperar confortavelmente a entrega na sua casa. Porém nem sempre aquilo que pedimos vêm do jeito que gostariamos e o principal problema das empresas de delivery é que muita das vezes a pizza ou comida chega fria e acaba frustrando o consumidor.

Para acabar com esse problema a agência indiana McCann Erickson criou para a Republic of Chicken, empresa especializada em entregas de pratos de frangos, uma ilusão de fogo real embaixo das caixas de entrega. Na hora de fazer a entrega o motoboy pega a moto e sai chamando atenção de todo mundo pois a ilusão de fogo acaba despertando a curiosidade das pessoas. Pra manter o produto ainda mais quente as caixas são produzidas com uma dupla camada que retêm 60% mais calor que as caixas convencionais, ou seja, é garantia de que a entrega chegará quentinha.

O resultado dessa idéia inovadora é que a empresa viu um aumento de 45% no número de pedidos e ainda conquistou 57% de novos clientes durante a campanha. No ano passado graças a essa idéia a empresa recebeu o prêmido de ouro no AD Stars 2010 (Busan International Advertising Festival).

Fonte: MeioNorte

Mercado de delivery cresce com a mudança de hábitos alimentares dos brasileiros

A internet tem se tornado um meio importante para pedidos

Movimentando anualmente mais de R$ 180 bilhões e empregando 6 milhões de pessoas, o mercado de food service tem crescido no Brasil. O motivo? A mudança dos hábitos alimentares da população. Com a vida cada vez mais corrida, as pessoas têm se dedicado menos tempo a refeições em casa e até mesmo em restaurantes, preferido o delivery.

De acordo com pesquisa realizada pela empresa de consultoria e varejo GS&MD, 59% dos brasileiros pedem comida em casa e a pizza é a preferida, seguida por comida chinesa, lanches diversos e comida brasileira. Ainda segundo o levantamento, cerca de 75% compram bebida para acompanhar a refeição.

A internet é a opção mais barata, rápida e simples para fazer pedidos. As pessoas passam o dia fora, no trabalho, e quando chegam em casa optam pela maneira mais eficaz de pedir comida, o delivery online“, informa o empresário, Marcelo Lima.