Peça sem sair de casa – Compra digital – A tecnologia mudando as relações de consumo

De modo acelerado, comércio tem absorvido variadas inovações e visto seu antigo DNA se transformar

Já faz algum tempo que o lema “compre e peça sem sair de casa” começou a se popularizar no País. No início, como é natural, houve grande resistência por parte dos consumidores. Mas, aos poucos, os brasileiros foram tomando gosto pela comodidade dos cliques em substituição aos tradicionais carrinhos e sacolas. Cada vez mais consolidado, o comércio eletrônico nacional é, hoje, um setor multibilionário – com crescimentos acima dos apresentados pelo varejo convencional -, e já soma 43 milhões de adeptos. Ainda assim, o espaço para o e-commerce avançar é vasto, já que somente cerca de 10% dos varejistas usam a internet para vender seus produtos. Integração de todos os canais de relacionamento, incorporação de novas tecnologias e melhoria na logística são alguns dos mais relevantes desafios para que o compra digital modifique, ainda mais, as relações de consumo em um futuro breve.

“As inovadoras tecnologias estão criando uma estrutura mais moderna da sociedade, com impactos sobre a compra. O comércio é um processo cada vez mais interativo entre comprador e vendedor, promovendo uma mais rica e intensa experiência de consumo”, avalia Norberto Torres, sócio-diretor da Uniconsult Sistemas, empresa especializada em soluções tecnológicas para e-commerce.

Transformações rápidas

Este nível de interação, cuja intensificação temos acompanhado nos últimos anos, tende a se aprofundar. E, nesse universo, as transformações são mais rápidas do que os nossos olhos podem acompanhar. É só pensar que, há cerca de sete anos, redes sociais eram quase inexistentes no Brasil. Hoje, aqueles que não possuem um perfil no Facebook ou Twitter são considerados exceções, os eremitas do século XXI. Em um passado recente, fazer downloads requeria muita paciência dos internautas. Uma simples música levava horas para ser baixada. Nos tempos atuais, com uma boa banda larga, o download de um filme completo não demora mais que 60 minutos. Tudo isso evolui em um estalar de dedos.

No varejo digital, o processo de evolução frenética é o mesmo. No entanto, persistem grandes limitações, que, com o tempo, devem desaparecer. “Ainda não é possível (por meio do comércio eletrônico), por exemplo, experimentar uma roupa ou sentir o seu material. No entanto, tudo isso vai mudar logo que comecem a introduzir no varejo eletrônico tecnologias de imersão sensorial (que criará realidades virtuais com o uso de hologramas e tridimensionalidade de ambientes e objetos). Ainda se dá pouca importância a isto, mas elas serão de grande importância no futuro”, vislumbra Torres. Segundo ele, de início, as ideias muito inovadoras parecem utópicas ou mesmo sem sentido, como um mero sonho de filme hollywoodiano, mas depois tudo muda.

Limitações

Apesar de grandes metamorfoses tecnológicas pela frente, há ainda problemas ´arcaicos´ com os quais o comércio brasileiro precisa lidar. A automação (presença de computador e emissor fiscal), ainda que crescente, atinge apenas 39,7% dos estabelecimentos no País, segundo estudo da Bematech. De acordo com Felipe Morais, especialista em planejamento estratégico digital e diretor de Novas Mídias da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a “falta de conhecimento sobre internet e o quanto essa ferramenta vai ser essencial para a sobrevivência dos negócios” influencia a falta de incursão de muitos comerciantes neste ramo.

Forma de entrega

A maioria das mercadorias (bens físicos) são entregues através de uma rede de transportes, como aviões, ferrovias, automóveis, caminhões, motos ou de bicicletas.

Determinados bens especializados podem ser entregues através de outras redes, tais como tubulações para produtos líquidos, redes de energia para energia elétrica e redes de computadores como a Internet ou transmissão de redes de informação eletrônica.

O processo geral de entrega de mercadorias é conhecido como distribuição. O estudo de processos eficazes para entrega e disposição de bens e pessoal é chamado de Logística .Empresas que se especializam no fornecimento de bens comerciais, do ponto de produção ou armazenamento para ponto de venda são geralmente conhecidos como distribuidores, enquanto aqueles que se especializam no fornecimento de produtos desde o ponto de venda ao consumidor são conhecidos como serviços de entrega.

O que é Delivery

Entregador de Leite

A tele entrega ou entrega em domicílio, também conhecida pela palavra em inglês delivery, é o serviço de entrega de materiais, bens, serviços ou produtos a um determinado local (residência, comércio, indústria etc.) pedidos por algum meio de comunicação como telefone ou internet pelo cliente ou consumidor.