Ligar e Desligar sua loja

 

No Pedidor o administrador de uma loja tem a opção de Ligar e Desligar sua loja a qualquer momento, entenda mais sobre essa opção:

  1. Sua loja vai abrir e fechar automaticamente conforme os horários definidos em normas
  2. Você não precisa se preocupar em ficar ligando e desligando sua loja
  3. Desligar a loja e manter a exibição dos produtos é útil na impossibilidade de entrega
  4. Desligar a loja e deixar de exibir os produtos é útil em caso de reajuste de preços
  5. O Pedidor contempla todos os fuso horários brasileiros e horário verão
  6. Se você esquecer de ligar sua loja, enviaremos notificações de clientes
  7. Lojas desligadas por muito tempo são qualificadas como abandonadas

ligar-delisgar


Para acessar essa opção, localize no menu do painel em:

  • CONFIGURAÇÃO a opção,
  • LIGAR/DESLIGAR

Pedidor – Diário de bordo – 24012013

Vamos iniciar uma espécie de prestação de contas de crescimento com base nas informações de uma das ferramentas de monitoramento do Pedidor.

O mapa abaixo reflete de onde foram as ultimas mil (1.000) visitas no Pedidor e isso nos dá ideia de até onde estamos indo, onde fizemos o dever de casa e para onde devemos olhar na sequência.

dia2013-01-24

Imã de Geladeira

foto-imas-decorados-para-geladeira-01[1]Sua geladeira está lotada de imãs de geladeira com telefones e endereços de alguns estabelecimentos que fazem entrega em sua casa?

Essa forma pratica de anotar telefones não deixa de ser uma forma fácil de fazer pedidos, mas imagine ver isso organizado por distância do seu endereço, imagine ter todos os estabelecimentos próximos de você sem precisar transformar sua geladeira em uma verdadeira arvore de natal?

Cadastre-se no Pedidor e tenha essa maravilha em suas mãos.

imã de geladeira

Fim do Mundo

Quando é o fim do mundo?

Dia 21 de Dezembro de 2012 ( estamos torcendo que não acabe ! )

Restaurantes não cobrarão por entrega – Fortaleza promoverá a “Semana do Delivery” entre os dia 17 e 23 de outubro

A Semana do Delivery pretende mostrar ao consumidor as vantagens de fazer pedidos pela internet

A iFood, plataforma de entregas online e organizadora da Semana do Delivery, espera que o evento, que começa na próxima quarta-feira, registre mais de cinco mil pedidos em Fortaleza, Recife e Salvador FOTO: JL ROSA

Depois de São Paulo e Rio de Janeiro, Fortaleza será a próxima capital a promover a Semana do Delivery, que ocorrerá entre os dias 17 e 23 de outubro. Na ação, que também acontecerá em Salvador e Recife, a população fortalezense terá 20 opções de locais para pedir comida via web sem pagar taxa de entrega. Os clientes também poderão ser contemplados com até 40% de desconto no valor compra.

A iFood, plataforma de entregas online e organizadora da Semana do Delivery, espera que o evento registre mais de cinco mil pedidos nas três capitais nordestinas, gerando um valor de aproximadamente R$ 300 mil. A economia gerada com a isenção das taxas de entrega dos pedidos deve somar aproximadamente R$ 34 mil, segundo o CEO da empresa, Felipe Fiovante.

Conforme o executivo, a campanha tem como objetivo demonstrar ao consumidor as vantagens e a variedade na hora de realizar um pedido pela internet. “Queremos incentivar as pessoas a acabarem com o velho costume de pedir refeição sempre nos mesmos locais, já que oferecemos uma verdadeira praça de alimentação virtual. Sem dúvida, será uma oportunidade única para que os nordestinos se familiarizem com esse novo jeito de solicitar comida”, justifica.

De acordo com o supervisor do restaurante participante América Beer Sul, Vaudir Gomes, essa é a oportunidade de mostrar para os clientes que existe uma forma mais fácil de fazer pedidos delivery. “Muita gente ainda não sabe dessa oportunidade. Além da taxa de entrega gratuita, vamos disponibilizar cinco sabores de pizza de R$ 32,90 por R$ 18,90 por todos os dias da campanha”, diz. O estabelecimento atualmente realiza o serviço de entrega em domicílio para 30 bairros nas proximidades da região Sul da cidade.

Para Alberto Yeh, gerente do restaurante Ban Cha, localizado no bairro Varjota, essa é a oportunidade de apresentar aos fortalezenses uma nova alternativa de pedir comida sem sair de casa. Ele afirma ainda que, além da isenção da taxa de entrega, o estabelecimento irá disponibilizar aos clientes um combinado com 24 peças de sushis de R$ 28,90 por R$ 24,90 durante a Semana do Delivery.

Conforme o sócio proprietário do restaurante, Konibaa, Heyner Fortunato, “poucas pessoas têm o hábito de pedir comida pela internet, mas quem descobre acaba aderindo”. Ele destaca ainda a possibilidade de fazer o pedido pelo smartphone por meio de um aplicativo.

Sobre a participação na campanha, Fortunato tem uma expectativa de crescimento de 15% a 20% no número de pedidos via web em comparação com uma semana comum no restaurante, que é especializado em comida japonesa.

Como participar

Para efetuar o pedido pela internet, os consumidores deverão acessar o site www.semanadodelivery.com.br, informar sua localização por meio do CEP, onde o sistema irá identificar todos os restaurantes participantes que realizam entrega no local indicado. Cada estabelecimento terá um valor mínimo do pedido para que a entrega seja feita sem o custo da taxa de entrega.

Peça sem sair de casa – Compra digital – A tecnologia mudando as relações de consumo

De modo acelerado, comércio tem absorvido variadas inovações e visto seu antigo DNA se transformar

Já faz algum tempo que o lema “compre e peça sem sair de casa” começou a se popularizar no País. No início, como é natural, houve grande resistência por parte dos consumidores. Mas, aos poucos, os brasileiros foram tomando gosto pela comodidade dos cliques em substituição aos tradicionais carrinhos e sacolas. Cada vez mais consolidado, o comércio eletrônico nacional é, hoje, um setor multibilionário – com crescimentos acima dos apresentados pelo varejo convencional -, e já soma 43 milhões de adeptos. Ainda assim, o espaço para o e-commerce avançar é vasto, já que somente cerca de 10% dos varejistas usam a internet para vender seus produtos. Integração de todos os canais de relacionamento, incorporação de novas tecnologias e melhoria na logística são alguns dos mais relevantes desafios para que o compra digital modifique, ainda mais, as relações de consumo em um futuro breve.

“As inovadoras tecnologias estão criando uma estrutura mais moderna da sociedade, com impactos sobre a compra. O comércio é um processo cada vez mais interativo entre comprador e vendedor, promovendo uma mais rica e intensa experiência de consumo”, avalia Norberto Torres, sócio-diretor da Uniconsult Sistemas, empresa especializada em soluções tecnológicas para e-commerce.

Transformações rápidas

Este nível de interação, cuja intensificação temos acompanhado nos últimos anos, tende a se aprofundar. E, nesse universo, as transformações são mais rápidas do que os nossos olhos podem acompanhar. É só pensar que, há cerca de sete anos, redes sociais eram quase inexistentes no Brasil. Hoje, aqueles que não possuem um perfil no Facebook ou Twitter são considerados exceções, os eremitas do século XXI. Em um passado recente, fazer downloads requeria muita paciência dos internautas. Uma simples música levava horas para ser baixada. Nos tempos atuais, com uma boa banda larga, o download de um filme completo não demora mais que 60 minutos. Tudo isso evolui em um estalar de dedos.

No varejo digital, o processo de evolução frenética é o mesmo. No entanto, persistem grandes limitações, que, com o tempo, devem desaparecer. “Ainda não é possível (por meio do comércio eletrônico), por exemplo, experimentar uma roupa ou sentir o seu material. No entanto, tudo isso vai mudar logo que comecem a introduzir no varejo eletrônico tecnologias de imersão sensorial (que criará realidades virtuais com o uso de hologramas e tridimensionalidade de ambientes e objetos). Ainda se dá pouca importância a isto, mas elas serão de grande importância no futuro”, vislumbra Torres. Segundo ele, de início, as ideias muito inovadoras parecem utópicas ou mesmo sem sentido, como um mero sonho de filme hollywoodiano, mas depois tudo muda.

Limitações

Apesar de grandes metamorfoses tecnológicas pela frente, há ainda problemas ´arcaicos´ com os quais o comércio brasileiro precisa lidar. A automação (presença de computador e emissor fiscal), ainda que crescente, atinge apenas 39,7% dos estabelecimentos no País, segundo estudo da Bematech. De acordo com Felipe Morais, especialista em planejamento estratégico digital e diretor de Novas Mídias da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), a “falta de conhecimento sobre internet e o quanto essa ferramenta vai ser essencial para a sobrevivência dos negócios” influencia a falta de incursão de muitos comerciantes neste ramo.